Brasil cumpre as metas estabelecidas no Protocolo de Montreal

Em vigor desde 1989, o Protocolo de Montreal visa diminuir a produção e a liberação de substâncias tóxicas para proteger a camada de ozônio – que protege a superfície terrestre absorvendo os raios nocivos emitidos pelo sol.

Diversas substâncias químicas, quando reagem com o ozônio, causam sua destruição. Essas substâncias contribuem também para o aquecimento do planeta, conhecido como efeito estufa.

É para minimizar isso que serve o Protocolo de Montreal. Esse é o único acordo ambiental multilateral cuja adoção é universal: 197 Estados Partes assumiram o compromisso. O Brasil aderiu ao Protocolo de Montreal em 1990, e tem atingido as metas propostas desde então.

O comprometimento dos países com as metas traz resultados positivos: segundo cientistas do Serviço de Monitoramento Atmosférico de Copernicus (CAMS, em inglês), um buraco na camada de ozônio que se formou sobre o Ártico no fim de 2019 e tornou-se o maior já registrado se fechou recentemente.

Esse Protocolo impõe a redução da produção e consumo das Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio (SDOs). Uma dessas substâncias é o composto Clorofluorcarboneto, conhecido por CFC, que estava presente na fabricação de aerossóis e gás para produtos de refrigeração.

Após a assinatura do protocolo, o CFC e seus derivados foram estritamente proibidos, fazendo com que houvesse a busca por outras alternativas, e com gases menos nocivos à camada de ozônio, como os hidrofluorcarbonos (HFC) e perfluorcarbonos (PFC). A partir de 1º de janeiro de 2020, a comercialização de HCFCs como agentes expansores foi proibida.

O Ministério do Meio Ambiente (MMA), em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), oferece apoio técnico e financeiro para que as empresas realizem a conversão tecnológica para uso de substâncias ambientalmente adequadas. Eles auxiliam nas adaptações e modificações na planta física e no processo de produção das empresas.

A Flexível é uma empresa que vai mais longe porque pensa no seu negócio e no futuro do planeta. Somos pioneira na comercialização do HFO no Brasil. As Hidrofluorolefinas são um agente expansor limpo, que não agride a camada de ozônio e ainda oferece alto rendimento, segurança e estabilidade.

Estudos realizados com o uso de diferentes agentes expansores demonstraram que o HFO possui um bom coeficiente de desempenho, ao mesmo tempo em que apresenta menos riscos do que o HCFC e outros agentes.

O HFO foi elaborado dentro de altos padrões de qualidade, para apresentar à indústria uma solução efetiva, bem adaptável às linhas de montagem, que fosse de plena segurança e tivesse um custo-benefício positivo.

Nossa linha de espumas rígidas, utilizadas na Cadeia do Frio, é desenvolvida com ativadores, extensores de cadeia, reticuladores antichama, agentes de expansão e o gás de quarta geração HFO.

Para o seu negócio, o uso do HFO traz segurança no manuseio e também para o uso final. É uma alternativa que o posicionará no mercado como uma empresa inovadora e preocupada com o planeta.

Entre em contato com nossos profissionais e saiba mais sobre as vantagens da substituição do HCFC pelo HFO como agente de expansão na indústria de poliuretanos.

 

 

Preencha o campo "Você é"!